Educação Financeira Infantil

Saber lidar com o dinheiro tem se tornado cada vez mais importante, principalmente quando se trata de um país em crise econômica. A educação financeira das crianças deve ser ensinada desde cedo, quanto mais cedo ela for instruída a administrar corretamente seu dinheiro, mais fácil será se tornar um adulto bem-sucedido e sem dívidas.

É interessante ensinar para o seu filho, que nem tudo o que ele vê nos comerciais, nas propagandas e na internet é para comprar, mas qual é o momento certo para começar a ensinar?
Quando iniciar a educação financeira

Educação Financeira Infância
Os primeiros passos na infância

O primeiro contato que uma criança tem com o dinheiro, é quando ela começa a demonstrar seus desejos próprios e isso começa bem cedo, por volta dos três ou quatro anos! Já nessa fase, é importante que a criança aprenda algumas coisas básicas;

Valorizar seus brinquedos, roupas e alimento. Faze-la entender que essas coisas significam muito mais do que seu preço.
Faça com que ela mereça ganhar seus presentes, não a presenteie a todo momento e por qualquer razão.
Ensine que é interessante repartir quando temos muito com aqueles que tem pouco.

O primeiro contato com dinheiro

Com 6 ou 7 anos, será o momento onde a criança começará a ter contato com suas primeiras operações matemáticas, sendo possível então introduzir o tema em situações cotidianas, como em uma ida ao mercado ou à feira.

Ensine que as cédulas, cartões e cheques não sou objetos mágicos. Ou seja, para eles existirem foi necessário muito esforço e trabalho.
Deixe claro que nem sempre as marcas mais caras são as melhores a ser consumidas, e que existem marcas mais em conta que possuem a mesma qualidade.
Dê um cofre para a criança guardar suas moedinhas para que ela realize algum sonho de consumo. Uma bola ou uma boneca que ela conquiste através de sua disciplina é uma poderosa ferramenta de ensino, a criança levará esses valores para o resto da vida.

Introdução da mesada

A partir dos 8 aos 14 insira a mesada, que deve ser encarada única e exclusivamente como um instrumento de educação financeira, evitando relaciona-la com atividades como desempenho escolar ou tarefas domésticas. A criança deve entender que essas são suas obrigações, sem necessariamente ser recompensada por isso.

Estabeleça um valor mensal, não precisa ser muito, o ideal é um real por idade, por exemplo, se ele tem 8 anos, ganhará 8 reais por semana, ou estabeleça um valor por mês.
Ensine a criança a fazer suas escolhas, comprar algo hoje ou poupar para algo maior no futuro, e coisas assim.
Ensine a importância de poupar o dinheiro e não o gastar todo de uma vez só.

Estimulando a independência

A partir dos 15 anos estimule-a a ter vontade de ganhar o próprio dinheiro, não necessariamente com um emprego fixo, mas fazendo pequenos trabalhos.

Aos poucos, passe ao adolescente a responsabilidade de arcar com algumas despesas, como colocar créditos no seu próprio celular ou ajudar com metade de alguma conta da casa.
Se preferir, abra uma poupança em nome dele em banco, e deixe que ele defina a quantidade que irá poupar.

Lembre-se: o maior exemplo na educação das crianças será sempre os seus pais. Se você quer que seus filhos sigam suas instruções, é preciso mostra-los na prática como isso funciona e influencia em sua vida.

‘’O exemplo não é a melhor forma de ensinar, é a única!” (Albert Schweizer)

Não deixe para depois, quanto mais cedo você começar a ensinar sobre educação financeira, maior a probabilidade de seu filho se tornar um adulto bem-sucedido. Gostou das dicas? Continue acompanhando o blog ?

Deixe um comentário

Atendimento